Primeira vez no ginecologista: qual o momento certo para a consulta?

Vinicius Pestana

Updated on:

Menina pela primeira vez no ginecologista

Antes de colocar os dois pés na adolescência, o período da puberdade vem com tudo, trazendo inúmeras descobertas e dúvidas. Crescimento dos seios, corpo cada vez mais curvilíneo, primeira menstruação, hormônios à flor da pele… São muitos aparecimentos repentinos que fazem a cabeça ficar recheada de pontos de interrogação.

Na grande maioria das vezes, as perguntas são feitas aos pais, amigas e familiares, com o intuito de saná-las rapidamente. Mas, se você já fez isso, percebeu que, a cada pessoa questionada, vem uma resposta diferente. Ao invés de trazer certezas, às vezes acabam criando ainda mais insegurança. Por isso é muito importante conversar sobre os aspectos da puberdade com quem conseguirá, de fato, sanar suas dúvidas: o médico ginecologista.

Quando se deve ir ao ginecologista pela primeira vez?

Embora muitas garotas determinem como marco a primeira data menstrual, ela não precisa ser o pontapé inicial para procurar um especialista. A hora exata de consultar com um ginecologista é quando você sente necessidade de saber coisas específicas sobre seu corpo, em especial no que diz respeito ao sistema reprodutor. Isso normalmente ocorre entre 11 e 15 anos de idade – podendo ser antes, variando de garota para garota.

Por vezes acontece que, mesmo sem iniciar o ciclo menstrual, secreções apareçam ou situações hormonais causem desconforto. Nesses casos, você já pode iniciar suas consultas. Se você já tiver atingido a menarca (primeira menstruação), então será necessário que você vá até o ginecologista para entender melhor o funcionamento do seu corpo e o que acontecerá com ele daí por diante.

Por que a primeira vez no ginecologista é tão importante?

Para começar, esse é um momento de transição. A partir de agora, você não é mais uma criança e está entrando na puberdade, que logo será acompanhada pela adolescência. Com ela, vêm perspectivas de vida que, antes, nem eram consideradas. Seu corpo vai ter sensações e reações que, por vezes, será difícil descrever – e podem constranger ao tentar formular perguntas. É para isso que o ginecologista estará lá, para explicar o que você não consegue entender e dar respostas objetivas às suas perguntas.

Outro ponto crucial para iniciar seu acompanhamento com um especialista é que, após o início do ciclo menstrual, o corpo feminino se torna fértil. Então, é fundamental que você comece a fazer exames preventivos, descubra quais são os métodos contraceptivos existentes, como usá-los e quais são mais indicados para você – mesmo que ainda não tenha uma vida sexual ativa -, entenda a importância do acompanhamento e o que é normal ou não de sentir nessa fase.

Por onde começar?

Antes de tudo, duas coisas são essenciais: com quem você irá se consultar e quem irá com você até lá. Parece muito básico e, até irrelevante, mas esses dois tópicos fazem toda a diferença na hora de começar essa nova caminhada. Isso porque são eles que irão definir seu comportamento na frente do médico e, se você não estiver à vontade, ou mesmo se sentir constrangida a ponto de não conseguir fazer as perguntas, não conseguirá se beneficiar corretamente da sua primeira consulta.

Então, para começar, se questione: “me sinto à vontade conversando sobre assuntos íntimos com homens ou com mulheres?”. Às vezes, por timidez ou falta de conhecimento, você pode não ter conversado com ninguém sobre isso ainda, mas já deve ter cogitado a hipótese de fazer isso com alguém. Pense a respeito e descubra se as opções foram femininas, como mãe, melhor amiga, irmã mais velha, ou se foram masculinas, como pai, primo ou colega.

Essa perspectiva vai dar a você maior conforto na hora de escolher se o especialista que vai acompanhá-la será uma mulher ou um homem. Da mesma forma, pode ajudar você a decidir quem irá acompanhá-la. Lembre-se: você deve confiar na pessoa que vai encarar suas dúvidas com você; ela tem que entender que essa sua nova etapa é muito diferente e deve lhe ajudar no momento da consulta da melhor forma possível. Afinal, essa pessoa é quem vai estar presente no seu dia a dia e não o médico.

Primeiras decisões concluídas. E agora?

A primeira consulta é muito tranquila. Isso porque será, basicamente, uma conversa amigável. Com esse bate-papo o profissional vai entender qual o patamar de conhecimento que você tem sobre o desenvolvimento do seu corpo, o seu histórico médico familiar, as dúvidas que lhe levaram até lá, ou ainda, se você já tiver menstruado, quando foi a data inicial, como está ocorrendo o seu ciclo (em espaço de tempo), o que você deve fazer antes do seu primeiro ato sexual, entre outros aspectos.

Um dica muito bacana é, antes de se consultar, fazer uma lista de coisas que você não entende, sente, não conhece ou que ouviu e ficou com dúvidas. Por mais desenvolta que você seja, quando nos deparamos com algo que desconhecemos, é fácil se atrapalhar ou mesmo esquecer das perguntas, por isso ter tudo listado é extremamente eficaz nesse momento.

É preciso fazer exames na primeira vez no ginecologista?

Dependendo do motivo da sua primeira consulta, como a aparição contínua de uma secreção notada na calcinha ou alguma dor específica, pode ser que o ginecologista precise examiná-la. Por isso, é importante que alguém com quem você se sinta confortável lhe acompanhe.

No exame, o profissional vai pedir que você tire sua roupa, vista um avental e deite na maca do consultório. Pode ficar sossegada, é extremamente comum! Se você estiver pouco à vontade em se despir na frente do especialista, insista para que seu acompanhante fique na sala, a fim de lhe trazer mais segurança.

Hora de escolher o médico

Agora que você já sabe como funciona a primeira consulta com o ginecologista e tem a base para responder suas dúvidas, está na hora de escolher o doutor. Descubra quem é o médico de confiança da família, verifique as opções de especialistas disponíveis no seu convênio, ouça indicações de quem já consulta com um ginecologista e passe a barreira da curiosidade. Afinal de contas, você já é quase uma adolescente e precisa de respostas à altura!

Deixe um comentário